domingo, 6 de maio de 2012

Lisboa: o que fazer (parte 1)

Achei Lisboa bem charmosinha, com suas ruazinhas coloridas e bondinhos amarelos. Sem falar nos doces, que pra uma glicose-maníaca como eu, são um verdadeiro sonho. Pra se locomover em Lisboa, você pode usar o comboio, autobus ou elétrico (traduzinho: trem, ônibus ou bondinho). Outra opção é o metrô, onde se pode comprar tickets individuais ou diários (duram 24h, dependendo do horário da compra, dá pra usar no dia seguinte também).

- Bondinhos
Há varias linhas de bonde levando para diferentes locais da cidade. Pegamos a linha 28 para ir até o Castelo de São Jorge (próximo item da lista) e foi uma experiência interessante. Não espere uma atração turística ou uma visão previlegiada: o bondinho é um mero meio de transporte como qualquer outro em Lisboa. Não espere conforto, nem que será anunciado em alto e bom tom o ponto de descida. O bichinho é velho de doer, mas se não se importar com o range-range dos trilhos e o fato dele passar a milimetros das paredes das casas (haja aflição!), vale a pena a experiência de se espremer pelas ruazinhas hiper estreitas da cidade. De qualquer forma, não é o tipo de transporte pra se ficar pegando toda hora, porque é lento, tem poucos lugares e pode haver fila de espera.

O bonde tava parado ok? Não tava correndo risco de ser atropelada não :)
- Castelo de São Jorge
Se você é chegado em castelos, vá sentir um gostinho da Idade Média visitando o castelo de São Jorge, padroeiro dos cavaleiros e das cruzadas. O estilo medieval, porém, não vem da preservação do castelo desde a Idade Média, e sim de uma campanha de reconstrução das ruínas que começou por volta de 1940. O castelo fica bem ao alto da cidade, de onde se tem uma visão previlegiada. Todo o castelo está rodeado por uma muralha, de modo que só vale a pena subir até lá se você tiver a intenção de pagar a visita.
Entrada: 7,50€

Olha quem estava por lá pelo castelo também, posando comportado pras fotos
- Sé de Lisboa
Depois de visitar o Castelo, vá descendo até a Sé de Lisboa (é perto, algo como 10 min), construída em 1150. Não é das igrejas mais impressionantes que visitei, mas não deixa de ser bonita.
Entrada: gratuita.


- Igreja de Santo Antônio
Bem pertinho da Sé, a pequena igreja é conhecida por estar no local da casa onde Santo Antônio nasceu.
Entrada: gratuita.


- Praça do Comércio (ou Terreiro do Paço)
Se continuar descendo, chegará nesta praça, onde há diversas opções de lojinhas e restaurantes (incluíndo o café Martinho da Arcada, um dos mais antigos de Lisboa e preferidos do Fernando Pessoa). Não passamos muito tempo lá e nem ficamos no café, pois a praça estava em obras, com uma barulheira chata. Ao norte da praça, está o Arco Triunfal da Rua Augusta, a entrada para a Baixa.

- Baixa de Lisboa
É onde ficam as lojas mais antigas de Lisboa, e é uma região bem turistona, como se vê pelos muitos artistas com as fantasias de estátua mais rebuscadas possíveis. É ligada ao Chiado/Bairro Alto pelo Elevador de Santa Justa (mas eu subi mesmo pro Chiado pelas escadas rolantes da gigante H&M de vários andares que tem lá hahaha).

Sim, tem uma pessoa aí no meio!
- Chiado/Bairro alto
É também uma região cheia de lojas e lugares pra comer, mas é bem mais agradável e descolada do que a Baixa. Uma coisa que achei bem legal eram os artistas de rua que faziam um som de qualidade altíssima! Numa das ruas, uma banda duns 5 carinhas animavam uma roda grande de gente, que batia palmas a um sonzinho estilo Beirut. Mais adiante, na praça Camões, fica o café A Brasileira, onde tem a famosa estátua do Fernando Pessoa (a resenha do café tá aqui ó :)

Praça Camões
Veja mais:
O que fazer em Lisboa
Onde comer em Lisboa
Onde comprar em Lisboa
Onde se hospedar em Lisboa
Dicas de Coimbra

2 comentários:

  1. Cara, essas coisas medievais são muito legais! Saber que existem há mó tempão... =)

    ResponderExcluir

Pergunta, que eu prometo responder :)

(não precisa preencher o campo URL, tá?)